Sindicato dos Trabalhaores nas Indústrias Plásticas Descartáveis e Flexíveis, Químicas e Farmacêuticas de Criciúma e Região

Criciúma, 09 de Agosto de 2022

Página inicial

NOTÍCIAS

Reforma deixa trabalhadores sem assistência jurídica

28 Novembro, 2017

Alterar o tamanho da letra: A- A+

Clique para ver a galeria de fotos O Ministério do Trabalho não mais realiza homologações de rescisões de contratos de trabalho, mesmo que o trabalhador demitido, ou que se demitiu, não tenha sindicato que o represente na região.
A nova ordem, em vigor desde 11 de novembro quando entrou em vigor a “reforma trabalhista”, preocupa não apenas os técnicos do órgão federal, mas especialmente o superintende regional do Ministério do Trabalho em Santa Catarina, Cley Capistrano Maia de Lima, que se reuniu na tarde desta terça-feira (28) com representantes do movimento sindical regional sul.
Até que entrasse em vigor a “reforma trabalhista”, o Ministério do Trabalho era responsável para homologar as rescisões de contratos de trabalho de categorias sem representação em sua região de atuação. Com a nova legislação, este ato de rompimento de relações entre capital e trabalho sequer precisa ser feito no sindicato da categoria do trabalhador, a não ser que esta determinação esteja expressa na convenção coletiva do segmento produtivo.
“Foi para este motivo que o superintendente Cley Capistrano veio à região, demonstrando preocupação com as categorias sem representação na região e destacando a importância desta cláusula tradicional nas convenções antes da reforma trabalhista, que agora está ameaçada”, explica o presidente do Sindicato dos Químicos de Criciúma e Região, Carlos de Cordes, o Dé. “A gerente regional do Ministério, Cássia Gava, já registrou o aumento na quantidade de trabalhadores procurando o órgão após a reforma trabalhista”, acrescenta de Cordes.
Conforme os técnicos do Ministério do Trabalho em Criciúma, que começam a atender ao público às 13 horas, pela manhã, a partir das 9h já começa a se formar filas de trabalhadores e a cada dia são atendidas, em virtude do reduzido quadro de pessoal, apenas, 20 pessoas, que não supre a demanda.
A preocupação de Cássia é que a procura está aumentando com o passar das semanas após a reforma trabalhista. Carlos de Cordes finaliza afirmando que “este é apenas mais um efeito da reforma trabalhista, o cenário futuro é preocupante”.

Mais notícias...
24 Janeiro, 2019
Fechada, finalmente, a Convenção Coletiva 2018/2019 dos trabalhadores das indústrias plásticas
18 Dezembro, 2018
Patrões criam mais um capítulo na novela da negociação coletiva
09 Novembro, 2018
Edital de convocação para os ex-trabalhadores da Canguru – INZA e DPMC, demitidos a partir do dia 14/07/2016.
01 Novembro, 2018
Documentos Solicitados para Homologação.
10 Outubro, 2018
Edital de Convocação da Categoria Química e Farmacêutica para discussão do Rol de Reivindicação. Data base Novembro 2018.
03 Outubro, 2018
Patrões das indústrias plásticas recebem nova proposta
28 Setembro, 2018
Curso de Inglês
19 Setembro, 2018
Sem acordo no Tribunal Regional, trabalhadores farão nova proposta a patrões das indústria plásticas
Anterior 1  2 3 4  5  6  Próximo